22/03/2016 15h14min - Geral
7 anos atrás

Dilma diz que jamais renunciará e que impeachment sem crime é golpe

impeachment

arquivo ► Dilma afirmou que não renuncia ao cargo

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou nesta terça-feira (22) que não renunciará ao cargo e que o processo de impeachment em curso no Congresso é uma tentativa de golpe porque não foi cometido crime de responsabilidade. "Não cabem meias palavras. O que está em curso é um golpe contra a democracia. Eu jamais renunciarei." . Dilma disse que a tentativa de derrubá-la é tramada nos "porões da baixa política". "Eu preferia não viver esse momento, mas que fique claro que me sobram energia, disposição e respeito à democracia para enfrentar a conjuração que ameaça a estabilidade democrática do país." As afirmações foram feitas em discurso no Palácio do Planalto, em Brasília, durante encontro com juristas que criticaram o processo de impeachment e a divulgação de gravações telefônicas da presidente interceptadas pela operação Lava Jato. "Todos sabemos que nossa constituição prevê impeachment como instrumento para afastar o presidente desde que haja crime de responsabilidade claramente demonstrado. Na ausência de crime claramente comprovado, o afastamento torna-se ele próprio um crime contra a democracia", afirmou Dilma. A principal acusação contra Dilma no processo de impeachment é que o governo teria praticado manobras contábeis chamadas de pedalas fiscais. A oposição estuda apresentar outro pedido de impeachment com base na delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que a presidente tentou interferir nas investigações da operação Lava Jato. "Não cometi nenhum crime previsto na Constituição para justificar a interrupção de meu mandato. Condenar alguém por um crime que não cometeu é a maior violência que se pode cometer contra qualquer pessoa. Já fui vítima de injustiça durante a ditadura e lutarei para não ser vítima de novo em plena na democracia." Para Dilma, as ações de seus opositores ameaçam a democracia e podem representar um golpe. "Pode-se descrever um golpe de Estado com muitos nomes, mas ele sempre será o que é, uma ruptura. Não importa se a arma do golpe é um fuzil, uma vingança ou a vontade de alguns de chegar mais rápido ao poder." "Oposição inconformada" A presidente disse que o encontro com juristas representou o lançamento de uma nova campanha pela legalidade, repetindo a iniciativa tomada em 1961 pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, para defender que o vice-presidente João Goulart tomasse posse, conforme a lei, depois da renúncia do presidente Jânio Quadros. Na época, a oposição tentou impedir a posse de Goulart. "Denuncio aqui a estratégia do 'quanto pior melhor' que parte das oposições inconformadas assumiu desde o início do meu segundo mandato inconformada com o resultado as eleições [de 2014]", disse a presidente. Dilma declarou que a estratégia de seus opositores é antirrepublicana e antidemocrática e consiste na tramitação de pautas bombas no Congresso e na "busca de motivos falsos e inconsistentes" para tirar seu mandato. Tolerância, diálogo e paz Sem citar o nome do juiz Sergio Moro, a presidente criticou a divulgação de suas conversas telefônicas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediu que a Justiça seja imparcial. Também afirmou que combate à corrupção tem de ser feito com a preservação da democracia. Na parte final do discurso, Dilma adotou um tom pacificador e pregou tolerância e diálogo. "Queremos diálogo e paz. Isso só será possível se preservarmos a democracia". UOL