23/10/2023 10h29min - Polícia
6 meses atrás

Sem-terra bloqueiam a BR-163 na saída de Campo Grande para SP

Interdição da principal rodovia do estado provocou congestionamento quilométrico

Divulgação midiamax ► Vários pontos aqui em MS foram bloqueados pelo movimento

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Midiamax News


Integrantes do Movimento Popular de Luta (MPL) interditam desde o começo da manhã desta segunda-feira (23) a BR-163 na saída de Campo Grande para São Paulo, próximo da rotatória do anel viário da Capital. 

Durante a primeira hora, o bloqueio foi total. Depois da chegada de reforço policial, liberaram uma das pistas. 

Por conta do bloqueio da principal e mais movimentada rodovia do Estado, milhares de caminhões e carros de passeio ficaram parados em um congestionamento que se estendeu por pelo menos dez quilômetros, travando inclusive o tráfego no anel viário de Campo Grande.

De acordo com as informações iniciais, os manifestantes estão acampados desde 2017 às margens do anel viário de Campo Grande, entre as saídas para Sidrolândia e São Paulo, e nesta segunda-feira  decidiram fazer o protesto para chamar atenção das autoridades e para exigir a retomada da reforma agrária no Estado. 

Várias viaturas da Polícia Rodoviária Federal acompanharam a mobilização desde o começo do protesto, mas não conseguiram evitar a interdição total da pista. Os manifestantes diziam que somente vão liberar o tráfego depois que seus representantes forem recebidos pelo comando do Incra e obtiverem  um cronograma para que as famílias recebam terra. 

Por volta das 8 horas, a PRF reforçou as equipes e recebeu apoio também da Polícia Militar. Pelo menos seis viaturas se posicionaram próximo ao bloqueio para evitar possível confronto entre usuários da rodovia e os manifestantes.

E após a chegada do reforço, os manifestantes começaram a liberar parcialmente o tráfego, em uma espécie de pare-siga.

Desde 2014 que nenhuma família é assentada em Mato Grosso do Sul e, de acordo com o Incra, pelo menos cinco mil estão na fila de espera por um lote de terra. Até hoje, 29.600 famílias foram assentadas. 

Em julho, ao passar por Campo Grande, o Ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, prometeu retomar os assentamentos para solucionar conflitos. Teixeira ressaltou que novos assentamentos devem ser feitos dentro da lei e de acordo com a constituição. 

O Movimento Popular de Luta (MPL), que tem seis acampamentos no Estado, se caracteriza por ser um movimento paralelo ao MST, o mais tradicional e radical movimento em defesa da reforma agrária no País.  Desde sua fundação, o MPL se expandiu em vários municípios e hoje se diz o maior movimento de massas do Mato Grosso do Sul. 

Recentemente, uma vitória do movimento está para ser consolidada na cidade de Anaurilândia, que pode receber o primeiro assentamento oficializado pelo governo Lula e está organizado pela bandeira do MPL.

Por volta das 9 horas, após receber a garantia de que seriam recebidos pelo comando local do Incra, os manifestantes desbloquearam os dois sentidos da pista, mas a previsão da PRF era de que o tráfego continuaria lento por pelo menos amis duas horas.

midiamax