22/03/2016 21h01min - Geral
7 anos atrás

Delcídio alega ao STF que está sofrendo de insônia, ansiedade e angústia

Delcídio

google ► Delcídio alegou probelmas de saúde para ficar em São Paulo

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Primeiro político a fechar delação premiada na Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) alegou ao STF (Supremo Tribunal Federal) que está sofrendo de angústia, ansiedade e insônia. As afirmações foram feitas ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, para justificar pedido do senador para ampliar sua autorização para ficar em São Paulo até o dia 6 de abril para a realização de exames. De acordo com o documento enviado ao Supremo pela defesa, Delcídio tem diabetes, pólipos intestinais, além dos sintomas de ansiedade generalizada. Teori pediu que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifeste antes de decidir. Em sua colaboração premiada, o senador implicou 74 pessoas, fez acusações ao governo e à oposição e elevou a pressão pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. Entre os citados nos relatos de Delcídio, estão alguns dos principais líderes políticos do país, como Dilma, o vice Michel Temer, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o senador tucano Aécio Neves (MG). O ex-petista disse que Dilma tentou interferir na Operação Lava Jato por meio do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça. Também atribuiu a ela a nomeação para um cargo na BR Distribuidora de Nestor Cerveró, preso e já condenado em processos da Lava Jato. No Senado, Delcídio é alvo de um processo de cassação. Ele também apresentou nesta segunda-feira (21) um novo pedido de licença médica por mais 15 dias, o terceiro desde que deixou a prisão, em 19 de fevereiro. Esse afastamento começa a valer a partir de quarta-feira (23), para quando está agendada a presença do senador ao Conselho de Ética para apresentação de sua defesa no processo por quebra de decoro parlamentar que corre contra ele na Casa. Apesar da licença, o ex-petista poderia aparecer para prestar depoimento, mas sua participação não está confirmada. O relator do caso no colegiado, senador Telmário Mota (PDT-RR), já considerava essa possibilidade e afirmou semana passada que, caso a renovação do prazo de afastamento se confirmasse, o Conselho precisaria analisar o que fazer. O depoimento pode ser remarcado ou a defesa, encaminhada pessoalmente por escrito. A partir desse novo pedido, o senador vai completar 45 dias afastado dos trabalhos na Casa desde que decidiu fazer um acordo de delação premiada e passou a cumprir sua pena em regime de prisão domiciliar. Caso já estivesse de volta às suas funções no Senado, poderia sair para trabalhar, mas deveria se recolher em casa à noite e nos dias de folga. Licenciado, não pode sair sem autorização judicial. Ele foi preso por três meses , acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. correiodoestado