20/04/2024 10h11min - Geral
3 meses atrás

Vigilância Sanitária mantém proibição ao cigarro eletrônico

Anvisa manteve decisão de 2009 que proíbe consumo e importação de dispositivos

CGNews ► Aniva manteve proibido qualquer tipo de cigarro eletronico no Brasil

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Campo Grande News


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu, nesta sexta-feira (19), manter a proibição aos cigarros eletrônicos no Brasil. Com isso, continua proibida a comercialização, fabricação e importação, transporte, armazenamento e propaganda desses produtos. Os cinco diretores votaram para que a vedação, em vigor desde 2009, continue em âmbito nacional.

Os dispositivos eletrônicos para fumar, conhecidos como cigarros eletrônicos, são chamados também de vape, pod, e-cigarette, e-ciggy, e-pipe, e-cigar e heat not burn (tabaco aquecido).

Com a decisão, a Anvisa informa que qualquer modalidade de importação desses produtos fica proibida, inclusive para uso próprio ou na bagagem de mão do viajante.

A maior parte dos argumentos favoráveis à manutenção da proibição foram relativos aos danos à saúde pública. A OMS (Organização Mundial da Saúde) manifestou preocupação com a saúde pública dos países que liberaram o consumo destes produtos e com o marketing estratégico da indústria do tabaco, especialmente com o aumento do consumo por jovens.

De acordo com a agência, a norma não trata do uso individual, porém, veda o uso dos dispositivos em ambiente coletivo fechado. O não cumprimento é considerado infração sanitária e levará à aplicação de penalidade, como advertência, interdição, recolhimento e multa.

Antonio Barra Torres leu, por cerca de duas horas, pareceres de 32 associações científicas brasileiras, os posicionamentos dos Ministérios da Saúde, da Justiça e Segurança Pública e da Fazenda e citou a consulta pública realizada entre dezembro de 2023 e fevereiro deste ano, mesmo que os argumentos apresentados não tenham alterado as evidências ratificadas pela diretoria em 2022.

Torres mencionou ainda que a agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos aponta que, mesmo com a fiscalização, há comércio ilícito desses produtos. 

 CAMPO GRANDE NEWS