01/12/2015 09h14min - Geral
7 anos atrás

Delcídio e Cerveró viram homens-bomba no PT

Depoimentos do senador e ex-diretor da Petrobras podem explodir no governo

Divulgação ► Depoimentos de Delcídio e Cerveró podem prejudicar PT

Odilo Balta / jornalcorreiodosul@terra.com.br
Fonte: Assessoria de Comunicação


Presos no âmbito da Operação Lava Jato, os depoimentos do senador Delcídio do Amaral e do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, são apontados de homens-bomba que poderão explodir na cúpula do PT, no governo da presidente Dilma Rousseff e no Congresso Nacional. Segundo o pedido da Procuradoria-Geral da República, Delcídio foi preso justamente porque tentava impedir Cerveró, seu afilhado político, de revelar em delação premiada o que sabia sobre ele e demais integrantes do poder. A manobra falhou, e a delação do ex-executivo, especulada e negada há meses, agora foi fechada. Ele vai colaborar com as investigações em troca de redução da pena em um acordo firmado depois que a defesa do ex-executivo entregou evidências de que Delcídio tentava impedi-lo de falar. Por outro lado, o senador, que nem sequer terminou de ser ouvido pela força-tarefa da Lava Jato, já causou danos potenciais. Em conversas gravadas e que, segundo a PGR, provam que Delcídio tentava impedir as investigações do esquema na Petrobras, o petista entregou o vice-presidente Michel Temer (PMDB) e revelou tráfico de influência com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), com quem disse ter mantido contatos sobre as prisões da Lava Jato. Em depoimento na semana passada, o senador disse que Dilma conhecia Cerveró antes dele próprio e que a presidente estava informada sobre as operações da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, cujas suspeitas recaem sobre superfaturamento milionário que teria gerado propinas aos envolvidos na transação. Na ocasião, Delcídio também reafirmou que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) estaria “preocupado” por causa do ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada, indicado pelo PMDB, e que, segundo o parlamentar, é ligado ao peemedebista. CorreiodoEstado